Fluidr
about   tools   help   Y   Q   a         b   n   l
User / SINDO MOSTEIRO / Sets / O vello Cambados: piornos
Sindo Mosteiro / 147 items

  • DESCRIPTION
  • COMMENT
  • MAP
  • O
  • L
  • M

O vello piorno da casa dos Maneiros de San Tomé, á beira do mar, é o único que se mantén en pé daquela casa no medio do que algún día foi unha pequena eira. Agora é un lugar recollido onde poder contemplar un espectáculo sempre asombroso cunha pantalla interminable, con tecnoloxía 3D de última xeración, son estereofónico e sen cortes publicitarios. O espectáculo chámase solpor e acontece todos os días sempre que o tempo o permita. Ademáis é gratuíto, cousa que se agradece en tempos de crise.

Música: Velaí vai unha de Lully.
www.goear.com/listen/20422a0/ballet-de-la-nuit-le-roi-rep...

Tags:   arquitectura tradicional galega piorno hórreo cambados pontevedra

N 10 B 1.2K C 2 E Aug 1, 1998 F Mar 9, 2017
  • DESCRIPTION
  • COMMENT
  • MAP
  • O
  • L
  • M

Fotografía tomada cunha Sony Digital Mavica MVC-FD7 en agosto de 1998.


POEMA DO MILHO

(...)
Milho plantado; dormindo no chão, aconchegados
seis grãos na cova.
Quatro na regra, dois de quebra.
Vida inerte que a terra vai multiplicar

Evém a perseguìção:
o bichinho anônimo que espia, pressente.
A formiga-cortadeira - quenquém.
A ratinha do chão, exploradeira.
A rosca vigilante na rodilha,
O passo-preto vagabundo, galhofeiro,
vaiando, sorrindo...
aos gritos arrancando, mal aponta.
O cupim clandestino
roendo, minando,
só de ruindade.

E o milho realiza o milagre genético de nascer.
Germina. Vence os inimigos,
Aponta aos milhares.
- Seis grãos na cova.
- Quatro na regra, dois de quebra,
Um canudinho enrolado.
Amarelo-pálido,
frágil, dourado, se levanta.
Cria sustância.
Passa a verde.
Liberta-se. Enraíza.
Abre folhas espaldeiradas.
Encorpa. Encana. Disciplina,
com os poderes de Deus.

Jesus e São João
desceram de noite na roça,
botaram a bênção no milho.
E veio com eles
uma chuva maneira, criadeira, fininha,
uma chuva velhinha,
de cabelos brancos,
abençoando
a infância do milho.

O mato vem vindo junto.
Sementeira.

As pragas todas, conluiadas.
Carrapicho. Amargoso. Picão.
Marianinha. Caruru-de-espinho.
Pé-de-galinha. Colchão.
Alcança, não alcança.
Competição.
Pac... Pac... Pac...
a enxada canta.
Bota o mato abaixo.
Arrasta uma terrinha para o pé da planta.
“- Carpa bem feita vale por duas...”
quando pode. Quando não... sarobeia.
Chega terra. O milho avoa.

Cresce na vista dos olhos.
Aumenta de dia. Pula de noite.
Verde. Entonado, disciplinado, sadio.

Agora...
A lagarta da folha,
lagarta rendeira...
Quem é que vê?
Faz a renda da folha no quieto da noite.
Dorme de dia no olho da planta,
Gorda. Barriguda. Cheia.
Expurgo... Nada... força da lua...
Chovendo acaba - a Deus querê.

“- O mio tá bonito...”
“- Vai sê bão o tempo pras lavoras todas...”
“- O mio tá marcando...”
Condicionando o futuro:
“- O roçado de seu Féli tá qui fais gosto...
Um refrigério”
“- O mio lá tá verde qui chega a s’tar azur...”
- Conversam vizinhos e compadres.

Milho crescendo, garfando,
esporando nas defesas.
Milho embandeirado.
Embalado pelo vento.

“Do chão ao pendão, 60 dias vão”.

Passou aguaceiro, pé-de-vento.
“- O milho acamou...” “- Perdido?”... “- Nada...
Ele arriba com os poderes de Deus...”
E arribou mesmo, garboso, empertigado, vertical.

No cenário vegetal
um engraçado boneco de frangalhos
sobreleva, vigilante.
Alegria verde dos periquitos gritadores...
Bandos em sequência... Evolução...
Pouso... retrocesso.

Manobras em conjunto.
Desfeita formação.
Roedores grazinando, se fartando,
foliando, vaiando
os ingênuos espantalhos.

“Jesus e São João
andaram de noite passeando na lavoura
e botaram a bênção no milho”.
Fala assim gente de roça e fala certo.
Pois não está lá na taipa do rancho
o quadro deles, passeando dentro dos trigais?
Analogias... Coerências.

Milho embandeirado
bonecando em gestação.
- Senhor!... Como a roça cheira bem!
Flor de milho, travessa e festiva.
Flor feminina, esvoaçante, faceira.
Flor masculina - lúbrica, desgraciosa.

Bonecas de milho túrgidas,
negaceando, se mostrando vaidosas.
Túnicas, sobretúnicas...
saias, sobressaias...
Anáguas... camisas verdes.
Cabelos verdes...
Cabeleiras soltas, lavadas, despenteadas...
- O milharal é desfile de beleza vegetal.

Cabeleiras vermelhas, bastas, onduladas.
Cabelos prateados, verde-gaio.
Cabelos roxos, lisos, encrespados.
Destrançados.
Cabelos compridos, curtos,
queimados, despenteados...
Xampu de chuvas...
Flagrâncias novas no milharal.
- Senhor, como a roça cheira bem!...

As bandeiras altaneiras
vão-se abrindo em formação.
Pendões ao vento.
Extravasão da libido vegetal.
Procissão fálica, pagã.
Um sentido genésico domina o milharal.
Flor masculina erótica, libidinosa,
polinizando, fecundando
a florada adolescente das bonecas.

Boneca de milho, vestida de palha...
Sete cenários defendem o grão.
Gordas, esguias, delgadas, alongadas.
Cheias, fecundadas.
Cabelos soltos excitantes.
Vestidas de palha.
Sete cenários defendem o grão.
Bonecas verdes, vestidas de noiva.
Afrodisíacas, nupciais...

De permeio algumas virgens loucas...
Descuidadas. Desprovidas.
Espigas falhadas. Fanadas. Macheadas.

Cabelos verdes. Cabelos brancos.
Vermelho-amarelo-roxo, requeimado...
E o pólen dos pendões fertilizando...
Uma fragrância quente, sexual
invade num espasmo o milharal.

A boneca fecundada vira espiga.
Amortece a grande exaltação.
Já não importam as verdes cabeleiras rebeladas.
A espiga cheia salta da haste.
O pendão fálico vira ressecado, esmorecido,
no sagrado rito da fecundação.

Tons maduros de amarelo.
Tudo se volta para a terra-mãe.
O tronco seco é um suporte, agora,
onde o feijão verde trança, enrama, enflora.

Montes de milho novo, esquecidos,
marcando claros no verde que domina a roça.
Bandeiras perdidas na fartura das colheitas.
Bandeiras largadas, restolhadas.
E os bandos de passo-pretos galhofeiros
gritam e cantam na respiga das palhadas.

“Não andeis a respigar” - diz o preceito bíblico.
O grão que cai é o direito da terra.
A espiga perdida - pertence às aves
que têm seus ninhos e filhotes a cuidar.
Basta para ti, lavrador,
o monte alto e a tulha cheia.
Deixa a respiga para os que não plantam nem colhem.
- O pobrezinho que passa.
- Os bichos da terra e os pássaros do céu.

Cora Coralina, In Poema dos Becos de Goiás e Estórias Mais, 1965

MÚSICA: Flook - The Tortoise And The Hare
youtu.be/_2j3lJvoXWo

  • DESCRIPTION
  • COMMENT
  • MAP
  • O
  • L
  • M

Este piorno situado no lugar do Brexo, en Cambados, é un modelo de esperpento aplicado á rehabilitación arquitectónica. Os vellos pés de pedra foron substituídos por uns elevados piares de formigón armado encofrados, fóra de toda escala razoable. Os panos e doelas de madeira volvéronse de cemento prefabricado. A esqueira de pedra ou madeira é agora un trebello de vigas pretensadas e encofrado de formigón. Para rematar o conxunto fixeron desaparecer as tellas que noutro tempo seguramente se coceran nas telleiras artesás próximas de Castrelo, substituídas por unhas tristes planchas de uralita. Xa lles quedaría a cabeza descansada aos donos.

MÚSICA: The Smiths - London
youtu.be/clPhtitSpes

  • DESCRIPTION
  • COMMENT
  • MAP
  • O
  • L
  • M

MÚSICA: Eu sei - Sara Tavares
www.goear.com/listen/e465e58/eu-sei-sara-tavares

Tags:   arquitectura tradicional galega cambados horreo


3.4%